Nosso projeto consiste na criação de uma empresa de consultoria ambiental, com enfoque principal em consultoria para empresas.

 

Objetivos: - criar um projeto piloto para “vender” nossos serviços.

                  - criar um roteiro de trabalho

                  - criar um banco de material didático tanto para eventuais consultas na elaboração dos projetos, como para utilização em oficinas e treinamentos dos clientes

                 

Atividades: - Efetuar o diagnóstico ambiental na empresa contratante

                    - elaborar linhas de estratégia para realizar as adequações necessárias

                    - elaborar material de apoio referente a essas adequações

                    - apresentar relatório ao cliente, para que este entenda o que precisa ser feito, como será feito e para que decida se concorda ou não e por onde deseja iniciar

                    - prática das estratégias

                   - avaliação dos resultados e monitoramento

 

Ainda estamos com um pouco de dificuldade com relação a parte administrativa da consultoria, como por exemplo: como mensurar o valor do projeto? Como será a aceitação do mercado visto que somos uma empresa “iniciante”? Que preços praticar, visto que somos uma empresa iniciante? Qual a melhor forma de abordar os clientes? Etc.

 

(vou completar esse texto aos poucos, a princípio é só para passar nossa ideia mesmo...)

Exibições: 64

Comentar

Você precisa ser um membro de Rede Catalise para adicionar comentários!

Entrar em Rede Catalise

Comentário de Yully Henrique Fernandes em 3 maio 2013 às 18:46

Oi Rafael! Desculpe  demora!! 

Dei uma olhada e na PNRS há um artigo sobre o que deve conter no Plano, vou colar aqui:

Art. 21.  O plano de gerenciamento de resíduos sólidos tem o seguinte conteúdo mínimo: 

I - descrição do empreendimento ou atividade; 

II - diagnóstico dos resíduos sólidos gerados ou administrados, contendo a origem, o volume e a caracterização dos resíduos, incluindo os passivos ambientais a eles relacionados; 

III - observadas as normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa e, se houver, o plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos: 

a) explicitação dos responsáveis por cada etapa do gerenciamento de resíduos sólidos; 

b) definição dos procedimentos operacionais relativos às etapas do gerenciamento de resíduos sólidos sob responsabilidade do gerador; 

IV - identificação das soluções consorciadas ou compartilhadas com outros geradores; 

V - ações preventivas e corretivas a serem executadas em situações de gerenciamento incorreto ou acidentes; 

VI - metas e procedimentos relacionados à minimização da geração de resíduos sólidos e, observadas as normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa, à reutilização e reciclagem; 

VII - se couber, ações relativas à responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos, na forma do art. 31; 

VIII - medidas saneadoras dos passivos ambientais relacionados aos resíduos sólidos; 

IX - periodicidade de sua revisão, observado, se couber, o prazo de vigência da respectiva licença de operação a cargo dos órgãos do Sisnama. 

§ 1o  O plano de gerenciamento de resíduos sólidos atenderá ao disposto no plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos do respectivo Município, sem prejuízo das normas estabelecidas pelos órgãos do Sisnama, do SNVS e do Suasa. 

§ 2o  A inexistência do plano municipal de gestão integrada de resíduos sólidos não obsta a elaboração, a implementação ou a operacionalização do plano de gerenciamento de resíduos sólidos. 

§ 3o  Serão estabelecidos em regulamento: 

I - normas sobre a exigibilidade e o conteúdo do plano de gerenciamento de resíduos sólidos relativo à atuação de cooperativas ou de outras formas de associação de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis; 

II - critérios e procedimentos simplificados para apresentação dos planos de gerenciamento de resíduos sólidos para microempresas e empresas de pequeno porte, assim consideradas as definidas nos incisos I e II do art. 3o da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006, desde que as atividades por elas desenvolvidas não gerem resíduos perigosos. 

Comentário de Rafael Ummus em 29 abril 2013 às 0:28

Oi Yully ! Talvez eu possa ajudar em alguma coisa: a responsabilidade em cumprir o Plano é sempre do empreendedor. E o Plano, antes de ser executado, deve ser aprovado pela agencia ambiental (CETESB, por exemplo).  Eu acho que na Politica Nacional dos Residuos Sólidos tem um trecho que diz o que deve conter um Plano de Gerenciamento de Residuos Sólidos. Dá uma olhada lá e se achar alguma coisa compartilha com a gente !   Podemos também convidar o professor Forini pra entrar na Rede ! 

Abraço !

Comentário de Yully Henrique Fernandes em 26 abril 2013 às 14:14

Olá pessoal! Precisamos de algumas informações a respeito da responsabilidade legal da consultoria. Por exemplo, ao elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos, qual a responsabilidade real da empresa de consultoria, pela destinação dos resíduos? Ela pode apenas ser considerada como intermediária entre a empresa geradora e a que destina corretamente? Ou tem alguma responsabilidade de fato? Na Política Nacional de Resíduos Sólidos, não parece ter nada que responsabilize os intermediários, mas não sei se existe alguma outra norma a respeito disso. E outra dúvida seria a respeito do certificado de destinação que a empresa de reciclagem, por exemplo, deve expedir, quais os itens que ele deve conter para ser aceito legalmente? Seriam: assinatura de um responsável técnico, quantidade recebida, tipo de destinação e algum reconhecimento oficial, como em cartório? Por favor, se alguém souber as normas e legislação a respeito, ou mesmo onde encontrá-las, estamos com pouco material nesse sentido...

Comentário de Rafael Ummus em 8 abril 2013 às 13:22

Jóia Yully e Dani ! 

Uma outra frente de ação, ligada a este piloto, seria a consolidação das referencias técnicas para o serviço ( legislação e textos téoricos e tecnicso base, formato dos documentos-produtos a serem entregues, perfil de quipe, etc) . Essas coisas vao formando uma especie de patrimonio-acervo técnico da empresa.

Comentário de Yully Henrique Fernandes em 7 abril 2013 às 20:38

Nossa, essas informações já ajudaram muito!! Com elas acredito que conseguiremos finalizar nosso Plano de Negócios... ótima a ideia de escolher um serviço e já submetê-lo a essas etapas!! Muito obrigada

Comentário de Rafael Ummus em 4 abril 2013 às 23:09

Yully, que legal ! 

Pra saber o valor a ser cobrado pelos serviços contabilizem tudo o que vai se gasto para fazer: horas ou diárias dos profissionais, transportes, horas em reunioes, impressao de documentos, manutenção da estrutura da empresa, etc. Os valores dos profissionais voce pode orçar aqui na rede mesmo, todo mundo ja desenvolve atividade profissional ligada ao campo ambiental. Pra dar um exemplo para um plano de gerenciamento de residuos solidos para um empresa aeronautica, um plano enxuto, a empresa de consultoria que pegou o serviço me contratou. A minha parte foi 4 mil, para ir em algumas reunioes, fazer um diagnostico de algumas horas na unidade e fazer as pesquisas e o relatorio, que totalizou umas 30 paginas e algumas plantas. Mas o valor ja veio fechado. na prática a diaria varia de 150 a 400 reais mais ou menos, mas tem varios tipos de trabalho e as vezes faço voluntario ou nao faço por dinheiro nenhum ! olha o que diz z tabela do conselho regional de biologia:

Tabela de referência de honorários para Biólogos sugerindo o valor mínimo da hora/trabalho para quatro grupos, de acordo com a Instrução CFBio Nº 04/2007 de 30 de novembro de 2007, conforme abaixo:

Júnior 1
Júnior 2
Pleno
Sênior
Até 3 anos após a graduação
De 3 até 5 anos após a graduação
De 6 a 15 anos após a graduação ou com Mestrado
Mais de 15 anos após a graduação ou com Doutorado
R$ 40,00
R$ 60,00
R$ 90,00
R$ 150,00

mas a ideía do projeto piloto que voce falou é genial, se vcs pegam um tipo de serviço e elaboram tudo pra ele, tipo com que equipe fazer, qual a referencia tecnica, quanto cobrar, é um bom exercicio. podemos até acionar profissionais da rede para orçar, e voces mesmas ja sao profissionais. quanto os gestores ambientais cobram por serviços ? e com a experiencia e formação complementar de voces ?

quando voces listam as atividades, ja desenham o fluxo de prestação do serviço, base para o funcionamento da empresa.então o próximo passo pode ser escolher um tipo de serviço e passar ele pelo ciclo de atividades que voce listou as etapas

© 2017   Criado por Rafael Ummus.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço